Meio Ambiente se programa para retirada dos jacarés da Lagoa Maior

Profissionais estão monitorando os répteis diariamente, já que os animais estão num período em que ficam reclusos dentro do leito da Lagoa

Ao contrário do que muitos pensam, ainda existem jacarés habitando a Lagoa Maior de Três Lagoas. Cinco répteis, entre jovens e adultos, estão próximos de ser retirados e levados para a Reserva de Cisalpina em Brasilândia.

Para isso, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMEA) mantém um trabalho de monitoramento dos jacarés, com objetivo de capturá-los no período certo. Conforme o secretário da pasta, Toniel Fernandes, muitos frequentadores acreditavam que todos já haviam sido retirados, pois, está praticamente rara a aparição deles no gramado da Lagoa.

"Algumas fêmeas estão em período de postura de ovos e é natural que fiquem mais próximas ao ninho. Os machos ficam perto delas e saem apenas para garantir sua alimentação, sendo muito raro vê-los. Diante disso, muitas pessoas achavam que não havia mais jacarés na lagoa e estavam se arriscando ficando perto da água. Orientamos que todos, principalmente crianças, tenham cuidado, pois o ataque desse animal é imprevisível", disse o secretário.

As equipes têm acompanhado a movimentação e rotina deles dia e noite, montando campana na orla da Lagoa e observando os pontos de aglomeração. Neste sentido, o trabalho de captura fica mais fácil, caso não haja interferência humana. Recentemente, a SEMEA retirou 71 ovos de jacaré do local e encaminhou para o centro de pesquisas da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) em Campo Grande.

Vale lembrar que a retirada dos jacarés do local foi autorizada pelo IBAMA após diversas polêmicas, envolvendo a aproximação irresponsável e perigosa dos frequentadores da Lagoa Maior e os ataques dos répteis a animais domésticos (cachorros).

informações Assessoria de Comunicação