Em 2017, TL registrou cerca de 140 cadastros para doação de medula óssea

Mato Grosso do Sul tem atualmente pouco mais de 140 mil doadores cadastrados no banco de medula óssea do Inca – Instituto Nacional de Câncer, segundo último levantamento divulgado pelo Hemosul. Número baixo, levando-se em consideração a população do Estado, que é de 2.713.147 habitantes.

Em Três Lagoas, os apontadores não são diferentes. Conforme dados do Hemonúcleo da cidade, de janeiro até agosto deste ano, somente 144 pessoas fizeram o cadastro na unidade. Uma média de 18 doadores ao mês, menos de um por dia.

O mais surpreendente é que qualquer pessoa com idade entre 18 e 55 anos está apta a ser uma doadora de medula óssea, desde que esteja com boa saúde.

O transplante de medula óssea é considerado a única esperança de cura para milhares de portadores de doenças que afetam as células do sangue, como leucemia, e a chance de encontrar uma medula compatível para a doação chega a ser de uma em cem mil.

E o processo para se tornar um doador é um simples. O doador precisa levar um documento oficial com foto, de preferência RG, além do CPF e cartão do SUS para preenchimento do formulário. No ato do cadastro, é retirada uma pequena quantidade de sangue, e a partir daí tem seu nome incluído no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea – Redome, que é gerenciado pelo Inca.

A coleta de medula para transplante é feita somente se um receptor compatível for localizado.

Serviço

O Hemonúcleo de Três Lagoas fica localizado na rua Manoel Rodrigues Artez, 520 - Jardim Primaveril. O órgão atende nas segundas, quartas e sextas-feiras, das 7h às 11h30 e, nas terças e quintas-feiras, das 7h às 11h. O telefone para outras informações é (67) 3522-7959.

Seja o primeiro a comentar!

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.
 

Fonte:Expressão MS